Mídia espontânea X mídia paga, o que devo priorizar?

Estar na mídia – seja ela televisiva, imprensa, virtual ou radiofônica – é, sem dúvida, um grande impulsionador para uma empresa ou profissional, e pode gerar muita visibilidade e credibilidade se a comunicação for feita de forma assertiva e direcionada. Levar o seu produto ao conhecimento do seu público alvo de forma amplificada pode ser definitivo para que a sua empresa prospere em um menor período de tempo. Existem, ainda, as mídias externas (ou offline) que também são pagas – como os outdoors e os busdoors – que também são formas de dar publicidade a produtos e serviços de maneira a levar as informações ao público de destino.

Para garantir resultados assertivos é preciso identificar a forma como se deseja comunicar e os resultados que se pretende atingir. Mas, afinal, o que é mídia espontânea e o que é mídia paga?

A grande diferença entre essas duas maneiras de se comunicar é que a mídia espontânea você (a sua empresa ou o seu produto) estará presente na parte editorial dos veículos de comunicação, ou seja, nas matérias de cunho jornalístico, que são assinadas por um jornalista. Já a mídia paga é a publicitária, ou seja, os anúncios das revistas, dos jornais e etc, onde é necessário que você crie a sua comunicação. Você irá pagar apenas pelo espaço. Mas, a arte, o spot ou o take (comercial televisivo) precisam ser desenvolvidos por sua conta.

Conheça um pouco mais sobre como você deve decidir qual desse tipo de comunicação você deve priorizar na sua empresa.

Mídia paga – publicitária

  1. Alcança um grande número de pessoas. Deve-se fazer um mapeamento adequado para a tentativa de direcionar ao seu público alvo, como faixa etária, classe social, região geográfica, etc;
  2. Existe um custo e esse custo geralmente é muito alto, o que pode inviabilizar uma campanha, dependendo do porte da empresa;
  3. Como você está pagando por aquele espaço, existe a garantia de publicação, no tempo e no veículo que você quiser;
  4. Como você é quem comunica, será publicado exatamente aquilo que você quiser e determinar;
  5. A visibilidade que você alcança é o ponto principal. Por ser publicidade, ou seja, você pagou por aquele espaço, a ação alcança menos credibilidade, já que não tem o aval de ninguém sobre aquilo que está sendo divulgado;

Mídia espontânea

  1. Alcança um grande número de pessoas. Além do veículo em que for publicado, geralmente a matéria também é replicada nas redes sociais daquele veículo, o que amplifica ainda mais a divulgação. Aqui, também existe a necessidade de você fazer um mapeamento de mídia para divulgar apenas para os veículos em que o seu público está presente. Há que se destacar, ainda, que você precisa ter um trabalho ainda maior de identificar veículo e editoria que possam se interessar pelo tema que você irá sugerir. Um jornalista que escreve sobre carros de luxo jamais falará sobre joias, mesmo que você identifique que seu público é o mesmo, pela classe social, por exemplo;
  2. Essa mídia é gratuita. Você não paga nada por ocupar aquele espaço da mídia;
  3. Mesmo que você já tenha concedido uma entrevista para determinado veículo, não existe nenhuma garantia da publicação/veiculação. Fatores externos podem interferir nisso;
  4. Você não tem controle daquilo que o jornalista irá publicar. O controle e a autonomia da publicação são do jornalista. O que significa dizer que o jornalista irá publicar aquilo que ele interpretar do que você disse na entrevista. Por isso, é preciso que você seja muito clara na sua comunicação. Nesse caso, é importante saber qual é o foco da matéria. Por exemplo: você é um profissional que trabalha com um material específico que, por algum motivo, causou a intoxicação e morte de uma criança. Você precisa avaliar bem se seria interessante ou não a associação da sua imagem a isso. Nesse caso, talvez seja melhor você não conceder a entrevista. (obviamente, isso serve apenas para ilustrar. Cada caso deve ser avaliado individualmente);
  5. Nesse caso, você alcança visibilidade, mas o mais importante é a credibilidade que você obtém. É como se um jornalista estivesse aprovando, dando o aval ao seu produto.

Para a execução profissionalizada da comunicação da sua empresa utilizando a mídia paga, o ideal é a contratação de um profissional ou empresa qualificados de publicidade.

Da mesma maneira, para a execução direcionada e assertiva da comunicação da sua empresa utilizando a mídia espontânea, é preciso que você conte com os serviços de um profissional de assessoria de imprensa. Como, neste caso, já existe uma relação de confiança entre esse profissional e o jornalista, o trabalho é realizado de forma continuada e em parceria, o que, nesse caso específico, te trará resultados mais positivos.

Diante desses pontos apresentados, você deve avaliar o que é mais vantajoso e mais possível para a realidade financeira da sua empresa, em um primeiro momento. Depois você deve avaliar o que, para você, seria interessante priorizar: apenas dar visibilidade a um grande número de pessoas (o que em muitas situações é o suficiente) ou garantir a credibilidade da mídia espontânea? Existe ainda a terceira alternativa que é utilizar as duas maneiras de se comunicar, já que elas são complementares e não exclusivas.

Então, qual forma de mídia é adequada ao seu perfil? Uma boa dose de ambas pode trazer resultados excelentes, mas é sempre bom analisar suas possibilidades e o seu mercado antes de fazer investimentos. Mas, não se esqueça, quem não é visto não é lembrado. Comunicar-se bem ainda é a melhor fórmula para o sucesso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *