Vacinar não é escolha, é ato de amor

“Meu filho de 5 anos, com todas as vacinas em dia, está com caxumba.
Mas como assim? Mesmo vacinado? Sim!
Uma doença tão antiga, já erradicada da população a tanto tempo, aqui, agora?

Pois é. E isso que acontece quando temos grupos de pais que se recusam a vacinar seus filhos. As doenças, começam a voltar.
As vacinas não protegem apenas quem toma, protegem toda população.
E essa não tem que ser uma escolha pessoal, esse é um dever que temos com nossos filhos, com nós mesmos e com todos que estão em nosso meio.
Eu tenho fé em Deus e no pediatra que nos acompanha, que a recuperação do Rafa será rápida e tranquila. Contudo, sinto muito medo pelos meus filhos e pelos filhos de vocês, pois tem doenças mais sérias e fatais que podem estar voltando devido a negligência dessas pessoas.
Vacinar não é escolha, é ato de amor, proteção e cuidado com próximo.
Relato de Patrícia Cunha Azevedo

Compartilhe este post